Páginas

quinta-feira, 17 de outubro de 2013

The Wat I Am - Capítulo 8

Clique aqui para ler os capítulos anteriores.

Eu costumava manter os rascunhos das minhas composições em uma mala. Eu achava que seria mais fácil de carregar, mas ai ela foi crescendo, crescendo e crescendo. O mais louco de tudo é que ficou muito pesada e só tinha papel lá. As pessoas perguntavam, "Que porra que você tem aqui cara? Colocou pedras foi?" E eu dizia, "Não". Quando eles abriam saia aquele tanto de papel. Tinha anos de peças de composição - talvez dois ou três anos - e isso é muito para mim. Eu ainda tenho a mala. Eu deixei de lado e foi la que achei esses rascunhos.

Ler os meus rascunhos as vezes fica confuso para mim. Passo aperto pra entender o que é aquilo, mas quando eu estou realmente trabalhando na música, eu sei exatamente onde está tudo e o que aquilo significa. Quando eu volto a olhar, anos depois, eu me pergunto, Como eu sai daqui para ali? Eu vou pular palavras para as pessoas não descobrirem o caminho que estou seguindo, no caso de minhas composições pararem nas mãos erradas. Isso é para a proteção de minha composição.

Quando se trata de escrever, as coisas vem até mim. Eu posso estar em qualquer lugar. Se eu tiver uma ideia, rapidamente trato de escrevê-la, ali naquele momento, ou vou perdê-la. Eventualmente todas elas acabam em uma música em algum lugar. Dre sempre diz: "Cara olhem só para esse pequeno traço de galinha cara! Eu nunca vou entender o que está escrito nem se eu quisesse".

ALL I KNOW PART 2

NA VIDA REAL, RAP É A ÚNICA COISA QUE SEI FAZER BEM. Eu tenho uma fascinação pelo filme "Rain Man". O título daquela música veio ate mim na cabine - nem tinha sido escrita ainda. Eu apenas disse: "Rain Man". O que eu queria dizer era que é isso que eu sei fazer; rap. Eu posso entrar no meu carro e dirigir, mas eu não sei achar os lugares. Eu não sei para onde é o norte, sul, leste e oeste. Meu senso de direção é horrível. A música fala "I don't know how else to put it, this is the only thing that I'm good at". E é verdade. Eu sempre esqueço as minhas chaves, a minha carteira. Quando eu ia a Nova York me apresentar eu entrava no metro e descia uns 14 quarteirões do local, na direção errada. 

Quando eu comecei a trabalhar no Encore, eu me sentia acabado. Algumas das minhas músicas ja tinham vazado - Bully, Love You More, We as Americans. As músicas caíram na internet e eu tive que recomeçar do zero. Escolhemos gravar em Orlando porque era verão e era um bom lugar para as crianças - do Dre e as minhas. eu fui até la com nada, sem nenhuma ideia. Eu tinha uma linha "You find me offensive/i find you offensive" na minha cabeça e não tinha ideia da onde ir com isso. 

Em Orlando, trabalhamos no estúdio do Lou Pearlman - o que era engraçado já que ele costumava trabalhar com os Backstreet Boys e N Sync. Dre e eu acabamos escrevendo 16 músicas, mantivemos 11 delas. Sempre que o Dre fazia uma beat eu iria à outra sala e escrevia com ela. Eu não sei o que tem lá em Orlando - deve ter algo na água. As vezes eu e Dre passamos por um período de seca, onde ele vai a Detroit trabalhar comigo ou eu vou a LA trabalhar com ele e a coisa não acontece. Mas em Orlando foi só começar e a coisa voou. 

Gravar o Encore me lembrou a minha primeira sessão de estúdio com o Dre em 1998. É verdade que Dre deve ter ouvido o meu freestyle no Sway e Tech no "Wake-up Show", mas ele não pensava em produzir comigo até Jimmy Iovine fez ele ouvir a minha fita cassete do The Slim Shady EP. Quando Dre e eu começamos a trabalhar fizemos "My Name Is" e mais duas outras faixas no primeiro dia de estúdio. Eu não me lembro de ter dormido muito nas primeiras semanas do The Slim Shady LP, tudo que eu fazia era escrever. Eu passei a noite inteira escrevendo algumas partes de My Name is e no outro dia gravamos. Quando acabava Dre sentava na cadeira e levantava as mãos para cima.. Ele começava a bater palmas e eu pensava "puta merda! É o Dre que esta reagindo assim a minha música". A primeira vez que Dre me deixou produzir foi em "The way I am". Eu estava muito feliz. "The way I Am" foi minha revolta contra a Interscope que me mandava escrever mais uma música pop. originalmente eu pensei que Who Knew seria o primeiro single do The Marshall Mathers LP. Dre e eu achamos que o álbum estava pronto. Mas ai a gravadora mandou voltar e escrever de novo. No avião eu tinha esse som de piano na cabeça e eu queria rimar com ele. Foi assim que acabei rimando naquele estilo. Tentei uma batida comum e não deu certo, Não fazia sentido. E ai o Dre me explicou que muito do que eu estava fazendo era a produção da música. Eu ia ao Bass Brothers e grava as coisas com eles, mas eu não podia toca-la. 

Trabalhar com o Dre me ajudou a entender a adrenalina no estúdio. O quanto poderoso aqueles gadgets e bugingangas podem ser. Quando você sabe o que você quer , as ferramentas ali são apenas uma extensão do seu cérebro. No estúdio com o Dre eu era uma esponja absorvendo os truques e as manhas. Eu queria toda a informação que podia tirar dele, "Dre, posso ter aquela batida velha que você não usa mais?"

Quando você esta no estúdio com o Dre você tem esse senso de história - da história que ele fez  - e te inspira a querer fazer história. Tem tanto que se ponde aprender com aquele homem. Eu ainda tenho o mesmo sentimento que tinha no inicio quando trabalho com ele. Ele sabe como maximizar minhas ideias. Ele vê criatividade em mim mesmo quando eu não estou tentando ser criativo, e ele sabe como me inspirar a ir ao microfone. 

Dre me mostrou como fazer coisas com minha voz que não tinha ideia que podia fazer. Ele me fez gritar no estúdio. Eu me lembro de quando fiz o refrão de Role Model gritando "Don't you wanna to grow up to be just like me?". Minha garganta ardia. Dre falava "De novo. Faça de novo" nós atrasamos algumas faixa por conta desse refrão. Se você ouve a "Kim" onde eu estou gritando, você vê a influencia de "Role Model"

Eu sempre quis fazer as minhas próprias beats. Eu tinha um objetivo de ficar bom o suficiente para quando a hora chegar de eu não quiser mais fazer rap eu iria me dedicar somente à produção. Todos sabem que não se pode fazer rap para sempre. Uma vez que eu tiver a aprovação do Dre, caio dentro. As vezes eu prefiro trabalhar no estúdio como produtor. É inspirador trabalhar com novos artistas e ver o processo deles. Uma vez que eu já estive no lugar deles, eu posso ajuda-los quando eles tropeçam. Eu posso olhar em seus olhos, ver onde eles estão errando, e entendo completamente o que é preciso para fazê-los voltar ao rumo, seja ajudando a preencher um vazio na composição ou procurando elementos para som junto às palavas para que elas não sejam supridas por aqueles. Isto é hip-hop: a musica está ali para ajudar a enfatizar a rima. 

Quando estou trabalhado como produtor, com o 50 Cent ou Obie Trice ou Cashis, eu trabalho de forma diferente com cada um deles. A rotina básica é começar a fazer a beat. Mas há essa luta como artista, porque havia alguns sons que eu produzi que eu realmente adoraria manter para mim. Toda vez que entrego algo a um artista tem que ser algo que eu rimaria em cima. Eu não iria fazer nada para eles que não faria por mim. 

A primeira vez que lancei algo ao 50 Cent foi em um club em LA. Eu conversei o tempo todo. Há uma certa mística e medo sobre o 50. Ele me disse que as vezes quando ele vai em reuniões com a corporação ele tem que ficar sorrindo para não fazer as pessoas desconfortáveis. 50 é um político incrível, e quando ele fala, ele é brilhante. Ele é um dos meu letristas favoritos também. Uma das minhas linhas favoritas dele é em "Hate it or Love it" que fala "Woke up the next morning , niggas done stole my bike". Isso te leva para dentro da história. A sua composição faz visualizar o tipo de vida que ele teve. 

50 é um perfectionista  Somos parecidos nesse sentido. Cada palavra tem que ser perfeita ou começa a viajem.  Mas pelo menos você consegue concertar no estúdio. se você erra em um show, você esta de frente para uma platéia, e você tem que começar a brincar com isso. Até hoje, se eu faço um show eu erro uma palavra ou outra em uma linha eu paro e brinco com isso o resto da noite e no dia seguinte, até que eu faça um show novamente. Sendo um perfeccionista, não suporto a ideia de errar as palavras. 

A minha primeira chance como produtor foi na minha gravadora com o D12. As pessoas receberam o D12 como um grupo de rap/pop, mas foi porque eu levei eles à essa direção com singles como "My Band". Se você ouve as letras das primeiras faixas do "D12 World" você verá que eles não são nenhum pouco pop. Proof costumava rimar as fitas e dizia: "Não pense que porque fazemos música popular você não será atingido".

Quando eu conheci o Swifty, ele estava no meio de uma briga, bombardeando um carinha. Nós fizemos uma faixa mais voltada ao pop aqui e ali - se fizéssemos somente álbuns gangster com um cara branco na frente, não teria dado muito certo. Então eles t'iveram que se adaptar ao meu estilo. O que aconteceu é que, eu vendi álbuns, e eles queriam vender álbuns. Mas você ficaria surpreso. Esses caras ainda mantêm o nome deles nas ruas.  

As vezes eu me pergunto se já atingi o meu auge liricamente, se serei capaz de ultrapassar aquilo que já fiz. Consigo ainda melhorar? Mas acontece que, quanto melhor eu fico na produção, mais eu me desafio. Se eu faço uma beat diferente eu fico intrigado em ver se consigo fazer algo diferente liricamente.

Sabe que Jay-Z não escreve nada, ele apenas entra na cabine e volta as rimas? timbaland me contou como é trabalhar com ele. jay entrava na cabine e dizia: "ok, me deixa pensar um minuto. Ok, pode soltar". Ele fala umas linhas e para. "Ok, me dê mais um minuto. Ok, pode soltar". Eu não acreditava que isso era possível. Eu achava difícil de acreditar que Jay era capaz de fazer rimas daquele calibre, que havia alguma forma de ele fazer isso assim do nada. E ai eu vi nosso artista Cashis fazer o mesmo. É um método bem complicado de fazer as coisas. Me pergunto como ele consegue fazer isso tão rápido.

As vezes eu entro naquela zona de escrever muito rápido. Gravei muitas músicas ultimamente onde eu tinha umas linhas na minha cabeça e dai começava a fazer um freestyle. Mas o meu melhor material é quando eu sento e demoro a compor. Não me pergunte nada. A maioria das minhas músicas começam com pensamentos aleatórios. Eu tenho uma linha na minha cabeça e então BOOM! Essa linha cria asas e vira uma música. 

Raramente eu consigo sentar com a intenção de escrever uma música e realmente fazê-la. Mas quando eu tenho uma idea, eu tenho que escrever o primeiro pedaço de papel que eu vejo ou vou perdê-la. As Vezes eu olho para os meu antigos rascunhos e eu não tenho nem ideia da onde tirei aquilo. Eu posso escrever uma ideia agora e ela acaba se tornando uma música daqui há alguns anos. Eu procuro administrar esses esquemas, e eu costumo copiar uns que eu realmente gosto para outro local. Depois levo o papel para a cabine e faço toda a página. 

Alguns rappers, que eu respeito muito, me disseram que eu fui a primeira pessoa que juntou palavras que não deveriam rimar. Eu mudo a forma de pronuncia-las. Exemplo: "Look at the store clerk, he is older than George Burns". "Store clerk" e "George Burns" não rimam tecnicamente. Ou "I laugh at the sight of death as I fall down a flight of steps and land inside a bed of spiders webs". Essas palavras não rimam, mas se você pronuncia-las da forma correta, elas rimam. Alguns caras no jogo perceberam isso. Tipo "working ball" e "jerking off" é apenas "ur" e "aw" entende?

Algumas ideias não vão a lugar nenhum. Eu estava olhando em um rascunho eu e dizia "criminal individual push". Eu não faço ideia do que seja isso. Provavelmente eu estava tentando bolar uma rima e o pensamento fugiu na metade. Mas eu sou bastante privado sobre o que eu vou rimar. Eu não rimaria "throat culture" e "black vulture" porque "throat" e "black" não rimam. Você consegue rimar "Coat vulture"e "throat culture". Ou "an occult vulture"? "Cult vulture" "throat culture". Estou apenas brincando sabe. 

Minha escrita sofreu depois da morte de Ronnie, eu tinha 19 anos. Fiquei parado por um ano. E ai quando eu comecei a escrever novamente, a próxima coisa que me deixou em crise novamente foi Treach de Naughty b Nature. Ele era tão insano que eu considerei largar o microfone. Ele me apagou com suas habilidades. Treach é um dos mais respeitáveis rappers. Eu tinha essa vontade de querer ser o melhor na época. E se eu ão pudesse ser O melhor, por qual objetivo eu rimaria?

Quando eu parei de me preocupar, voltei a trabalhar nisso, a primeira música que escrevi foi sobre Ronnie. Era chamada de "Troublemaker". Eu rimei como ele. Eu senti que ele foi tratado como um delinquente por toda a sua vida, então ele não podia fazer outra coisa se não viver sob a expectativa que as pessoas tinham sobre ele. 

Para mim, a musica não é mais o que costumava ser, especialmente depois que 50 cent apareceu. Agora, com os álbuns vazando online e o declínio das vendas, você começa a se preocupar, "O que é que estamos fazendo?". Nas disse que o hip-hop está morto. Eu não acho que está morto. Apenas estagnado. Liricamente, esta definidamente estagnado. Com tanta coisa que sai hoje em dia, a letra se simplificou. 

Música e um trabalho como qualquer outro. As pessoas acham que se você faz música, automaticamente você esta rico, não é verdade. 

A indústria mudou, e eu não tenho ideia para onde está indo. As pessoas sempre vão querer música - não, elas sempre vão precisar da música. O que significa que sempre haverá espaço para mim nesse jogo. Seja como rapper ou produtor ou fazendo trilha sonora para filmes. 

Independente de ser o rapper favorito de alguem ou não, independente de ter sido considerando um dos melhores, um dos mais assediados, o que quer que seja, eu sou um dos rappers que mais fala de coisas pessoais. É por isso que as pessoas se identificam comigo, porque as pessoas acham que eu me exponho muito. Por isso que pessoas desconhecidas, como motoristas de taxi, me chamam de "Marshall". e o motivo que me expus tanto assim era que eu achava que nunca seria famoso. Eu não tinha ideia, a mínima ideia. Se eu tivesse que fazer tudo de novo, não sei se faria. Apesar disso, fico feliz que minha música reuniu tanta gente. 

Rap me forçou com conviver com as pessoas de modo sociável. Também me forçou a levantar e gritar verdades nas pessoas. É um sentimento bom. Hip-hop era uma comunidade onde eu pertencia e não importa que eu seja um cara branco. Hio-hop me fez sentir parte de um time. Eu sentia que eu não só estava representando pessoas que me apoiavam, mas também conectando outras. E para mim é disso que se trata o hip-hop. E o que sempre foi. 
---
NT: Adquiram o livro, pois há materiais dentro dele que não serão postados aqui no blog, dignos de um colecionador.
O livro está disponível no Brasil na Livraria Saraiva.

As pessoas que forem reproduzir esta tradução peço que coloquem o credito do blog pela tradução. Obrigada por lerem.
Todos os créditos deste livro são de Marshall Mathers - Eminem.

18 comentários:

  1. Obrigada pela tradução de mais um livro,sei que deve dar muito trabalho,valeu Elisa!!!!

    ResponderExcluir
  2. Ghost trapped in a beat...

    ResponderExcluir
  3. obrigada elisa adorei a tradução

    ResponderExcluir
  4. Só sei o cara não esta nesse jogo por brincadeira.

    ResponderExcluir
  5. Elisa, vc calculou tudo,no dia do niver do Em,nos deu de presente o último capítulo, sua danadinha kkkkkk

    ResponderExcluir
  6. Muito bom trabalho parabéns

    ResponderExcluir
  7. Não tem o capítulo 2?? Otima tradução! Muito obrigadaaaaa s2

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. http://eminem-sshady.blogspot.com.br/2013/06/the-way-i-am-capitulo-2.html

      Excluir
  8. Cara, muito obrigada mesmo ♥ eu tava doida pra ler esse livro, finalmente consegui

    ResponderExcluir
  9. The Wat i Am ? Wat ? erro ae no titulo '---'

    ResponderExcluir
  10. Parabéns pela tradução. Trabalho muito bem feito

    ResponderExcluir
  11. pow.. muita coisa ai eu não sabia.. mas me identifiquei muito.. a parte das escolas.. pois passei por várias tbm.. dos amigos.. temperamento.. pensamento.. a parte do pai dele.. até no jeito de escrever(claro, sou perfeccionista, mas pouco criativo, sou ruim hahaha)... caralioh me identifiquei pra caralioo.. pow já morei com duas tias, dindas, tio, primo e com a mãe.. ahh foda-se!! muito boa a tradução, agradecido pelo esforço de traduzir esse puta livro!!! vlw Elisa!!!!

    ResponderExcluir
  12. obg.. li os 8 cap e agradeço a vcs pela tradução...vlw msm!!

    ResponderExcluir
  13. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir

O Blog não se responsabiliza pelos comentários feitos por seus visitantes, e se reserva no direito de excluir comentários com linguagem grosseira de conteúdo calunioso ou difamatório.

Leia também:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...